quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Despedida de Ademir da Guia no Allianz Parque

Allianz Parque Arena Palmeiras (Foto: Thiago Fatichi / Divulgação)
Caro leitor,

É com muita honra que anunciamos mais um dos eventos-teste que serão realizados na nossa nova velha casa, o Allianz Parque. Trata-se da despedida OFICIAL do maior jogador da história do Palmeiras, o Divino Ademir da Guia, que receberá cerca de 10 mil pessoas em um jogo festivo, mas que terá ares importantes sob a ótica do empreendimento.

Após este evento, os último laudos para liberação da Arena devem ser finalizados, sendo assim, o Palmeiras poderá jogar em breve pelo Campeonato Brasileiro em sua casa, após quatro anos ausente.
Segundo a MVL Comunicação, assessoria da WTorre, o evento terá início no sábado, 25 de Outubro, às 9h. Os convidados serão notificados na próxima semana, bem como os jogadores que atuarão junto ao Divino no novo e belo gramado da Allianz Parque.

O Blog Avanti Palestra, mais uma vez, estará presente e contará tudo aos nossos leitores.

Avanti, Palestra!

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Início da sequência da morte… ou da vida.

O técnico Dorival Junior da SE Palmeiras durante treinamento na Academia de Futebol, no bairro da Barra Funda. São Paulo/SP, Brasil - 10/10/2014. Foto: Cesar Greco / Fotoarena

Caro leitor,

Amanhã o Palmeiras dará início a uma sequência de jogos das mais difíceis deste atual Campeonato Brasileiro. Uma sequência que, no primeiro turno, só nos trouxe um pontinho, e só serviu para atrapalhar o início de trabalho de Ricardo Gareca que, contra adversários mais prontos, pouco pode fazer.

Agora, Dorival Júnior e seus comandados vão poder reverter esse quadro com três desses quatro jogos em casa, no Pacaembu. A começar por sábado, onde às 21h receberemos o Grêmio, 4º colocado, e que é treinado por nada mais, nada menos, do que Luiz Felipe Scolari, que parece ter dado jeito ao tricolor gaúcho.

Para este jogo, não contaremos com Marcelo Oliveira, suspenso pelo terceiro cartão amarelo. No seu lugar, deve entrar Bruninho ou Washington. No mais, o time deve ser o mesmo que bateu o Botafogo, por 1 a 0, no Maracanã. Uma vitória contra os gaúchos será fundamental para o decorrer do certame nacional.

Nas próximas rodadas, teremos: Santos, no Pacaembu, Cruzeiro, no Mineirão, e o C*rinthians, novamente no Municipal. A coisa vai “aliviar” contra o Bahia, mas na Fonte Nova e depois contra o Atlético-MG, em casa. Ou seja, só teremos pedreira daqui pra frente.

Como o nosso time, apesar da melhora significativa, não inspira total confiança, a grande questão é qual estratégia (do grego, strategia) adotar para esses confrontos. Claro que precisamos, e muito, da vitória, mas, não dá pra pensar nesse time atacando o Cruzeiro no Mineirão, dá?

A minha indicação é: tentar passar ileso por esses jogos até o confronto contra o Bahia. Ou seja, não perder, PRINCIPALMENTE, os clássicos. E digo mais: o único jogo desses, a meu ver, que é OBRIGAÇÃO de vencer, é contra o C*rinthians. Explicarei mais pra frente.

A sequência pode, sim, ser chamada de sequência da morte, mas ela também pode nos trazer a vida. Em caso de sucessos, por exemplo, dos jogos em casa, a nossa permanência na Série A pode ser praticamente selada, restando assim, a briga por uma vaga na Sulamericana.

Vale lembrar que todos esses clubes estão brigando por algo no campeonato. Seja por G4, seja rebaixamento. O título, no meu entendimento, já é do Cruzeiro.

O heroísmo namora com o fracasso.

Hora de torcer.

Avanti, Palestra!

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Allianz Parque: simplesmente, o melhor!

20140927_193549

 

Caro leitor,

É com muita honra que o Blog Avanti Palestra foi convidado pela WTorre para comparecer ao evento-teste da Allianz Parque, a nossa casa, que aos poucos nos começa a ser devolvida. Casa essa, vale lembrar, construída sem um centavo de dinheiro público, sem roubalheiras ou maracutaias. Obra magnífica e única no Brasil.

Para fugir do lugar comum e evitar repetir informações dadas em outros veículos, vamos destacar alguns pontos que considero primordiais para um evento, seja ele qual for, onde for. Essa foi a nossa missão, como torcedor e membro da forte mídia palestrina.

A começar pela organização, com funcionários extremamente educados e imbuídos do espírito alviverde. A limpeza interna, apesar do estádio ainda estar em obras, também foi positiva, sem falar na facilidade de locomoção interna, com lugares bem sinalizados e placas com informações sempre à vista.

O serviço de Wi-Fi também funcionava sem maiores problemas. Claro que haviam “apenas” três mil pessoas, mas, como as antenas estão espalhadas pelo estádio todo, creio ser uma amostragem interessante, já que o local onde o filme “12 de Junho de 1993” foi exibido estava lotado.

Mesmo atrás dos “gol das piscinas”, local onde assisti ao filme, a vista para o telão era perfeita, bem como para o outro gol. Ou seja, não existe lugar “ruim” na Allianz Parque, que segundo Mauro Beting, mestre de cerimônia do evento, tem as medidas exatas do Coliseu, de Roma, e a altura da Torre de Pisa, ambos na Itália.

Deu pra perceber, também, que novembro é uma data bem plausível para a liberação total da Arena. Faltam apenas alguns detalhes para o complemento da obra, que deve ser concluída em outubro.

Falaremos mais sobre o que rolou por lá no decorrer da semana, mas, fica aqui registrado o nosso agradecimento aos organizadores, principalmente a MVL Comunicação, assessoria de imprensa da WTorre/ Allianz Parque, que nos trata com extremo profissionalismo e faz um trabalho inteligentíssimo de aproximação com a Mídia Palestrina. Tomara que o Palmeiras possa seguir esse exemplo de organização para que a parceria, que será longa, possa render bons frutos a todos os envolvidos.

Esse estádio é, simplesmente, o melhor!

Avanti, Palestra!

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Derrocada heroica


Caro leitor,
Para aqueles que em alguma rodadas atrás disse que havíamos chegado ao fundo do poço, meus pêsames. O fundo do poço é redescoberto jogo após jogo. Nem mesmo a ruindade deste atual elenco do Palmeiras é capaz de explicar outra goleada vexatória, nossa pior derrota na história do Campeonato Brasileiro. Apelidem o massacre como bem entenderem, eu escolhi “Derrocada Heroica” em alusão à comemoração da ARRANCADA HEROICA, de 1942. Sem dúvida alguma, esse é o pior Palmeiras que eu já vi na minha vida.

Pouco há para falar do jogo. Dorival bem que tentou montar um time interessante e vinhamos bem, até que os gols foram saindo com EXTREMA FACILIDADE. Parecia aquele jogo com os amigos no fim de semana, depois de uma bela cervejada. Pixotadas absolutamente incríveis, que fizeram com que até Ademir da Guia, no alto de sua idade e calmaria, perdesse a paciência.

Se olharmos a tabela e analisarmos time a time, ponto a ponto, não dá pra desesperar. Nosso time não é, nem de longe, o pior do campeonato, mas faz de tudo para ser. Desse jeito, a queda – MAIS UMA – parece iminente.

Os jogadores, entretanto, são os menos culpados. Não pediram para estar aí. Eles não têm culpa de serem limitados e não terem condições técnicas e MENTAIS de vestirem a camisa do Palmeiras. Além de jogadores, faltam HOMENS para usarem esse manto.

O que mais me irrita, por fim, é a inércia da dupla Brunoro e Nobre. Repito: Sob o ponto de vista administrativo, vão bem, mas o futebol exige muito mais do que isso. Futebol não é igual Banco Imobiliário, ou o Jogo da Vida. No mundo do futebol, ou você engole, ou é engolido. Parece que Paulo Nobre é um masoquista. “Esse é o time”, diz ele. Pois bem… esse é o time, esse é o presidente.

Espero mudanças drásticas e movimentos satisfatórios do nosso corpo diretivo para que mais um rebaixamento não aconteça. As desculpas e problemas parecem os mesmos de 2012 e 2002. Tomara que o final seja diferente.

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Existe 3x0 injusto? Sim!

Caro leitor,

Apesar da óbvia dificuldade que teríamos em enfrentar o Fluminense no Maracanã com 12 desfalques e com aquela sensação de jogo perdido, o que vimos no sábado não refletiu-se no placar final. Meus caros amigos palestrinos, levamos um 3x0 injusto. Dolorido. Mas promissor.

O Fluminense fo ao ataque por três vezes e marcou três gols: um em uma falha de Victorino e de Fábio, outro em um pênalti MUITO questionável e, por fim, outro franguinho de Fábio, que fechou o caixão. Infelizmente esse resultado apagou e aniquilou a imagem que deixamos em campo. O time se portou bem e jogou muito bem, apesar da limitação técnica, da falta de entrosamento e dos inúmeros desfalques. Volto a dizer: são 12 jogadores. OITO titulares.

Mesmo com a derrota dá pra dizer que vimos evolução. O toque de bola já é outro mesmo com poucos treinos sob o comando de Dorival Júnior. O Palmeiras gosta da bola, trabalha com paciência e finaliza as jogadas. Perdemos MUITOS gols, é verdade, mas em três jogos já criamos muito mais do que em todos os jogos de Gareca juntos. Os mais céticos não gostam de jogar a “culpa” na fase, mas, em outro momento, esse jogo NUNCA terminaria 3x0.

Contra o Flamengo, no Pacaembu, teremos a volta de Lúcio, Allione e Valdivia, que já melhoram considerávelmente a qualidade da equipe. É hora de lotar o estádio e incentivar! O Flamengo é o primeiro de uma série de adversários que temos totais condições de vencer.

Hora da arrancada!

Avanti, Palestra!